Login do usuário

Aramis

Cantoras americanas

Mais um << pacote de mulheres>., como diria o irreverente - e sempre genial - João de Barros, o Braguinha, em sua última (e desapercebida) marchinha carnalesca, gravada por Silvio Santos. Desta vez, cantoras estrangeiras, a maioria americanas - entre nomes conhecidos ou novatos. Dionne Warwick, hoje uma das << superstars >> da Arista Records - etiqueta que tem na Ariola agora sua representação no Brasil - surge com << Déja Vu >> em dois compactos: no simples, fazendo dobradinha com << My Everlastings Love >> e, num duplo, completado com << I`II Never Love This Way Again >>, << Feeling Old Feeling >> e After You >>. Claro que em breve teremos o Lp de Dionne, com novas músicas , mas por enquanto aparecem um aperitivo da sensual - a provocante - Linda Ronstadt é o simples com << How do I Make You >> e << Rambler Gambler >> que a organizada WEA lançou há algum tempo, para manter esta bela cantora nas paradas. A mesma WEA, que nos traz uma nova cantora, Nicolette Larson, com estilo um tanto << country >> (<< In The Nick of Time >>), mas cantando até um << Rio de janeiro Blue >> (Richart Torrance/John Haeny), lança também mais uma bela << colored >>: Patrice Rushen - (<< Pizzazz >>). Segundo os sempre bem cuidados << releases >> da WEA, Patrice aos 12 anos já era uma pianista de méritos e ao fazer seu primeiro disco solo para a Elektra/Asylum, há 2 anos (<< Patrice >>, Era uma requintadíssima multiinstrumentalista havia muitos anos >>. Assim << Pizzazz >> continua a tradição virtuosística de Patrice, hoje aos 26 anos, que escreveu todas as canções, co-produziu o Lp e arranjou para todos os instrumentos que não tocou. << Ela também refinou o estilo vocal que havia começado a desenvolver em << Patrice >> e sua voz em << Pizzazz >> está mais forte que nunca >>. Perante tantas recomendações, o mínimo que se pode fazer é ouvir com atenção mais esta nova presença. Sem tantas adjetivações, mas visual e auditivamente das mais agradáveis também as presenças de Cristal Gayle (<< Miss The Mississippi >>) e Angela Bofill (<< Angel of the Night >>), a primeira com a égide da CBS e a segunda via Arista. Crystal não poderia ser mais sensual e insinuante das fotos das capas/contracapa do disco ao repertório incluído no disco. Já Angela Bofill, morena, lábios carnudis , além de ter como produtor o competente Dave Grussin, mostra um estilo jazzístico, sugerindo influências até de Flora Purim, contrapondo a sua voz vigorosa em músicas como << I Try >>, << Rainbown Child >> e << The Voyage >>, a solos magníficos de vários instrumentalistas. Contratada da Arista/Ariola, por certo esta nova cantora vai escalar a paradas de sucesso com tranquilidade Sem ser propriamente uma desconhecida, Anne Murray ainda tem um caminho a percorrer: << I`II Always Love You >> (Capitol/Odeon), produção recente, a traz como cantora de novos autores, num repertório bem cuidado e que mostra um estilo suave, com música como << You`ve Got Me To Hold On To >>, << Good Old Song >> e << Why Don`t You Stick Around >>. A mesma Arista tem na crioula Grace Jones, cantora e líder de um grupo da pesada, uma das cantoras para conquistar o público apreciador do som mais forte. << Warm Leatherette >>, produção de 1980, é daqueles discos para << curtir adoidado >>, como dizem os mais jovens. Em compensação, Debby Boone, filha do hoje aposentado Pat, dedicando-se ao evangélico - mas que nos anos 50 chegou a dividir o público de Alvis Presley, continua em sua linha romântica, suave - pois afinal é neta de Red Folley, um astro do << country western >>. Há 8 anos, quando Pat se apresentou no Japão, suas 4 filhas fizeram uma aparição especial no palco, cantando o clássico de Bacharach/David: << What The World Needs Now Is Love >>. E começava a carreira de Debby, a mais rebelde das 4 filhas: graduou-se pela Merymont High School, chegou a dar aulas para crianças excepcionais e, como boa filha de protestantes, freqüentou uma << Bíblia School >>. Mas a vida musical foi irresistível: sua primeira gravação, << You Up Light Up My Life >>, chegou nas paradas, valeu premiações e virou até filme, além de dar título ao seu primeiro Lp, produzido por um trio ultracompetente: Michael Lloyd/Mike Curb /Joe Brooks. Lançado em setembro de 77, com a participação de suas irmãs, o disco vendeu muito bem e, em 78, ganhava o Grammy como << revelação >> e << You Up Light Up My Life >> recebia um Oscar. O segundo Lp, << Midstream >>, produzido por Brooks/Arthur/Joe Brooks, autores de << You Up Light Up My Life >>, incluía músicas de Sedaka, Carol Bayer Sager e Peter Noone. No 3.º Lp, o tema do filme << The Promisse >> (<< I`II Never Say Goodbye >>), que concorreu ao Oscar este ano. Agora, Debby tem seu 4.º Lp: << Love Has no Reason >> (WEA, maio/80): 10 canções novas, incluindo << Are You on the Road to Lovin' Me Again >>, << Just When I Needed A Love Song >>, << I`d Even Let You Go >> e << Take it Like a Woman >>, onde mostra tanto o estilo << country >> como o pop. E, principalmente, não exagera nos agudos e equilibra sua voz com arranjos suaves. FOTO LEGENDA 1- Debby FOTO LEGENDA 2- Dionne FOTO LEGENDA 3- Angela Bofill
Texto de Aramis Millarch, publicado originalmente em:
Estado do Paraná
Almanaque
Jornal da Música
1
29/06/1980

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta questão é para verificar se você é um humano e para prevenir dos spams automáticos.
Image CAPTCHA
Digite os caracteres que aparecem na imagem.
© 1996-2009. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br