Login do usuário

Aramis

As trilhas negras e os temas clássicos do filme proibido

A PHONOGRAM (Companhia Brasileira de discos) , a Tapecar e a Copacabana colocaram recentemente na loja trilhas de alguns filmes importantes, enquanto a Odeon, via Som Livre/gla prossegue no lançamento das trilhas sonoras das telenovelas da Rede Globo o que não deixa de ser uma espécie de prima das "sound tracks" originais. Curiosamente quatro edições de trilhas sonoras são daquilo que se pode chamar de "temas negros", isto é, filmes e compositores em que o "black power" se afirma em termos de talento: "O grande Golpe de Shafet" ( Cine São João, desde ontem em exibição) "Super Fly", "The Harder They Come" e "Thouble Man", os três últimos ainda médicos no Brasil. Ainda pela Phonogram, selo Fontana, temos alguns temas selecionados por Stanley Krubick para o seu proibido (no Brasil) "Clockeork Orange", enquanto do selo Copacabana temos as digestivas trilhas sonoras de "Man of La Mancha" e "O Violonista no Telhado". A TRILHA DO NEGRO SOM Primeiro negro a dirigir um filme em Hollywood, Gordon Parks obteve elogios por seu "A Árvore da Solidão" (The Learning Tree), onde acumulou além da direção também o roteiro e a trilha sonora Em seu primeiro sucesso de publico "Shaft" baseado na novela criada por Ernest Tidyman e lançado um grupo de interpretes negros - Richard Roundtree e Moses Gunn entre outros - parks abriu mão da música, dando oportunidade ao extraordinário Isaac Hay ganhar o Oscar por sua musica nervosa e vibrante. Mas para a segunda fita desta série - já que as rendas foram das mais auspiciosas - Parks decidiu também acumular a função de música. Assim, apesar de utilizar os mesmos interpretes criou 7 temas isolados, 3 dos quais com interpretação vocal no novato O . C . Smith, além de uma longa "Symphony for Shafted Souls", que em 13,11 minutos desenvolveu em vários movimentos: "Take Off/Dance Of the Cars/Water Ballet/ Call And Respond/The Last Amen". Apesar de toda criatividade de Parks e das boas orquestrações garantidas por quatro maestros ( Dick Hazard, Tom McIntosh, Jimmy Jones e dale Oeheler) e mais a participação do pistonista Freddie Hubbard, está trilha resente-se do tema central que deu o Oscar a Isaac Hayes. E afinal não custava nada a Parks incluir ao menos o tema central que sonoramente tão bem marcou o detetive John Shaft. Em compensação em "Super Fly" o mesmo Gordon Parks não pretendeu acumular também a responsabilidade musical: assim convocou o excelente Curtis Mayfield para escrever e interpretar as composições deste filme igualmente ambientado entre os negros e que, pelo visto, está tendo problemas na censura. Por falta de letra, o tema "Superfly" deixou de concorrer ao Oscar de melhor canção do ano, o que segundo alguns críticos, garantiria sua premiação De qualquer forma, um álbum vigoroso com o temas dos mais interessantes: "Little Child Runnin Wild" "Pusherman", "Freeddie`s Dead", "Junhe Chase" "Give Me Your Love", "Eddie You Shoul Know Better", No Thing One Me" "Think" e "Superfly". "The Harder They Come" é um filme produzido e dirigido por Perry Henzell com roteiro de Perry Henzell e Trevor D. Rhone, sobre a Jamaica e os jovens que procuram deixar o país na conquista de uma melhor vida nos Estados Unidos. Jovens que vivem nas favelas de Kingstom e que acabam envereadando pelos caminhos do crime. Assim "The Harder They Come" tem muito de autobiográfia de seu principal interprete, o cantor e compositor Jimmy Cliff de origens humildes mas hoje um nome famoso no mundo pop. E isto se deve muito ao prestígio que recebeu da Island Records, gravadora pertencente a um jovem empresário da Jamaica. Em "The Harder They Come" aparecem jovens interpretes - carl Bradshaw, Janet Bartley, Ras Daniel Hartman, Winton Stona Brasil Keane e Boby Chalan - e os tema musicais, so contrário do que poderia parecer a primeira, vista não tem nada do estilo "Calipso" das antilhas Ao contrário, são composições ( do próprio Cliff ou de seus parceiros Derrick Harriot, Francis Hibbert ou do grupo Slickers) com uma profunda carga social. Cliff mais os grupos The Slickers The Maytals e Melodiars e os vocalistas Scotty e Desmond Dekker, interpretam os 12 temas deste filme interessante que esperamos chegue um dia no Brasil. Outro filme vigoroso, "Trouble Man", dirigido por Ivan Dixon para a 20th Century Fox, tem sua trilha sonora editada no Brasil, pela pequena gravadora Tapecar. Marvin Gaye um musico com uma interessante formação jazzistica - acrescida a salutar influencia Rhythm & Blues, desenvolveru com felicidade os 12 temas para este filme que já pela trilha sonora merece ser visto. Assim como "Auperfly" e "The Harder Thoy Come", o seu elenco é praticamente desconhecido - Paul Winfield, Ralph Waite, Bill Smithers, Paula Kelly e Julius Harris. O próprio Marvin gaye, além de compor e interpretar os temas, executa ainda Moog em algumas faixas. Na seção de metais o justo destaque é o sax baritono e tenor Trevor Lawrence, em especial nas faixas "I" Play It Cool", "Cleos Apartamento" e "Thouble Man" Uma trilha sonora das mais interessantes, revelando uma nova tendência na música para cinema. OS TEMAS CLÁSSICOS DO FILME PROIBIDO Enquanto nem uma gravadora se animou a lançar ainda a maravilhosa trilha sonora do provavelmente proibido "O Último Tango em Paris" (temas de gato barbieri), a Phonogran providenciou a edição de alguns temas clássicos que Stanley Kubrick selecionou para seu "Clockworf Orange" já proibido em nosso País vários meses. A exemplo de "2001" o grande Kubrick preferiu nos clássicos alguns dos temas para este seu filme surpreendente e violento - uma parabola de "ficção científica" que foi considerado tão pouco SF por nossas autoridades que acabou sendo vetada para exibição. Se em "2001 - Uma Odisseia no Espaço", Kubrick foi buscar em Richard Wagner ( "Assim falava Zaratrusra") e Strauss ( "Daunbio Azul", opus 314) para contrabalançar aos temas contemporaneos de Charles Gounod e Leo Delibes, em "Clockwrk Orange", Kubrick incluiu temas de Giacchino Rossini (1972-1868) e Ludwing Van Beethoven (1770-1827) ao lado de "SinginÌn The Rain" (2). Assim, aqui temos a overture de "Lagazza ladra" e "Guilherme Tell" de Rossini, na interpretação da Orchestra de Concertos Lamourex, sob a regência de Roberto Benzi. De Beethoven, temos sua "Sinfonia n.o 9 em Dó Menor", com a Gewandhaus Orchestra Leipzig-Rádio Vhorus Lerpzig, sob a regência de Dietrich Knoche (coral) e Franz Konwitchny (orquestra). Assim como a trilha sonora de "2001" foi editada pela Phonogram em dois volumes, lançados em épocas diferentes, é possível que mesmo o filme "Clockwork Orange" não chegando ao Brasil, o setor internacional da Phonogram acabe brindando o público com um segundo volume, incluindo outros temas selecionados por Kurbrik. OS MUSICAIS DA COPACABANA Já a Copacabana, representando no Brasil a United Artists Records, coloca no mercado dois álbuns bem mais comerciais com as músicas de seus atuais sucessos de bilheteria: "O Violonista no Telhado", já lançado no Brasil mas ainda inédito em Curitiba e "Man of la Mancha", cujo lançamentos e dará tão logo a peça montada por Flavio Rangel termine sua temporada no Teatro manchete, na Guanabara, onde atualmente faz sucesso com Paulo Autran, Bibi Ferreira e Grande Otelo. "Fiddler on the, Roof", musicas de Jerry Bock (com as canções adicionais de Sheldon Harmick), aparece em luxuoso álbum da Copacabana (S - UV - 20101), na interpretação do elenco do filme de Norman Jewilson: Topol, Norma Grane, Leonard Frey, Molly Picon e paul Mann. Já "Man of La Mancha", tem as belíssimas canções de Mich Leugh e Joe Darion - que para a versão brasileira produzida por Paulo Pontes foram traduzidas por Chico Buarque de Hollanda. Ao menos um destes temas, só agora editado no Brasil mas que já tem mais de sete anos, merecerá, sem duvida a inclusão entre as 10 melhores musicas aparecidas ( em termos de grande divulgação) este ano: "The Impossible Dream". Para quem gosta do musical tradicional, "Man of La mancha" (3) é uma trilha sonora indispensável. NOTAS (1) Cadeia de cinemas de arte, já com varias casas na Guanabara. Santos e São Paulo. (2) "Dançando na Chuva" (Singn`In the rain), de Stanley Deren e Gene Kelly, Debbie Reynolds, Jean Hagen e donald O` Connor. Um tema da trilha sonora deste musical foi utilizado por Kubrick numa das seqüências de maior violência de "Laranja Mecânica". FOTO LEGENDA- Curtis Mayfield Super Fly Gordon Parks, Jr. Ron O`neal Carl Lee Julius Harris Sheila Frazier Charles McGregor Sig Shore Philip Fenty
Texto de Aramis Millarch, publicado originalmente em:
Estado do Paraná
Almanaque
Trilhas Sonoras
1
15/04/1973

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
CAPTCHA
Esta questão é para verificar se você é um humano e para prevenir dos spams automáticos.
Image CAPTCHA
Digite os caracteres que aparecem na imagem.
© 1996-2009. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br
parade