Login do usuário

Aramis

Artigos por data (1992 - Janeiro)

Música do cinema continuou sem mestres como Mancini e Legrand

1. West Side Story - Leonard Bernstein conducted - Kiri Te Kenewa - José Carreras - Tatiana Troyanos - Kurt Ollman e Marilyn Jorne (Deutsch Grammophon/Polygram). (*); 2. Tune In Tomorrow... - Wynton Marsalis - (Cinecom/Sony Music); 3. O Poderoso Chefão III/The Godfather III - Carmine Coppola (Columbia/Sony Music); 4. Febre na Selva (Tungle Fever) - Steve Wonder (Motown/BMG); 5. Campo de Sonhos - Priscilla Ermel (Estúdio Eldorado) (**); 6. Robin Hood - Prince of Thieves - Michael Kamen (Morgan Creek/Polygram); 7. Ghost - Do Outro Lado da Vida - Maurice Jarre - Paramount/BMG;

Independentes resistem e agora chegam a era do CD

Ironicamente, enquanto algumas multinacionais como a WEA/Warner (aliás, hoje sem qualquer promoção no Paraná, com um catálogo basicamente do pior rock descartável) impõe o mais supérfluo pop internacional, nossos grandes talentos continuam gravando CDs (e mesmo videolaser) nos Estados Unidos, que permanecem inéditos.

OS MELHORES E MAIS IMPORTANTES LANÇAMENTOS DE 1991

Num mercado em que apesar de toda a crise brasileira dá sinais ainda de vitalidade, com mais de 1.500 títulos lançados em 1991, torna-se impossível uma rápida apreciação das edições mais significativas.

Um levantamento nacional dos filmes de qualidade

Completado um quarto de século de edições ininterruptas do suplemento anual com os melhores do cinema e música - marca registrada na edição referente ao ano de 1990 - a abrangência do referendum iniciado em O Estado do Paraná em 1965 passa hoje, definitivamente, a nacional.

Leon, aquele que revive a era de ouro da música

O homem que mais ama a música brasileira tradicional, Leon Barg, 60 anos, 40 de Curitiba

MELHORES REEDIÇÕES

1. Bossa Nova/Elenco: Nara Leão, Antônio Carlos Jobim, Baden Powel; Caymmi Visita Tom; a Música de Edu Lobo; Vinícius/Caymmi no Zum-Zumb. Reedição supervisionada por Tarik de Souza - Elenco/Philips/Polygram. 2. Naquele Tempo (Choros e Valsas) - Pixinguinha-Benedito Lacerda-Custódio Mesquita e orquestra - Garoto - Carolina Cardoso de Menezes - Coordenação Leon Barg (Revivendo, com fonogramas RCA). 3. Carnaval - Sua História, sua Glória (seis volumes) diversos intérpretes (Revivendo).

Araken, um homem que amava o mundo

Paraná, abril de 1971, Haroldo Leon Perez substitui Paulo Pimentel no Governo e inicia uma administração de ódio e perseguições. O ESTADO é o único jornal a enfrentar o udenista que se julga dono do mundo. Poucos jornalistas se acorajaram a assinar colunas críticas denunciando as irregularidades da nova administração - que poucos meses depois levaram o então presidente Médici a obrigar a sua "renúncia".

No ano da crise do cinema, crescem os curtas-metragens

No pior ano da história da cinematografia brasileira - com a produção reduzida a níveis mínimos (*) - e apesar de expulso do circuito comercial pelo descumprimento da chamada Lei do Curta, contraditoriamente a este panorama desolador, os realizadores de curtas (e alguns médias) metragens mostraram um notável vigor, credenciando-se para mostras internacionais - pois, com a desativação da produção em longas, só através de curtas é que o Brasil vem tendo alguma presença no Exterior.

CURTAS METRAGENS DE DESTAQUE PRODUZIDOS NO BRASIL ENTRE 1990/91

1. "Wholes", de A. S. Cecílio Neto (*); 2.

Música Brasileira - As reedições chegam com qualidade

Por múltiplas razões, a reedição se tornou uma forma de gravadores tradicionais - ou mesmo produtoras independentes, na área nostálgica - para enfrentar estes tempos de recessão. Afinal, para as gravadoras que dispõem de grandes acervos não custa quase nada providenciar remontagens de gravações de artistas que passaram pelos seus estúdios. Infelizmente, a maioria dos lançamentos é feita de uma forma caça-níquel - e nisto a Continental é campeã absoluta - recolocando dezenas de vezes no mercado, com títulos e capas diferentes, as mais esdrúxulas montagens.

Entre os melhores de 91, as 3 listas que faltaram

Nas edições de ontem e hoje, ALMANAQUE complementou o levantamento cultural de 1991 - cinema e música, com textos e listas que, por razões técnicas, não foram possíveis de ter espaço no suplemento de domingo. Também abrimos hoje nossa coluna para complementar mais três listas que, normalmente deveria ter constado das páginas na edição do dia 5, mas que foram prejudicadas por terem sido elaboradas após o fechamento gráfico da edição.

Os melhores nacionais e do jazz segundo Caetano

Caetano Cerqueira Rodrigues, 57 anos, presidente do Blue Note Jazz Clube; produtor de programas de jazz e bossa nova para a rádio Ouro Verde-FM - e também é dono de uma das maiores coleções de CDs, especializados em jazz, música instrumental brasileira, Bossa Nova e grandes vocalistas americanos. Assim, sua relação dos 10 lançamentos e reedições exclusivamente em CDs feitos no Brasil é importante referencial sobre uma faixa altamente sofisticada na produção nacional e internacional. Os 10 melhores lançamentos nacionais

A música instrumental em "boom" de qualidade

Comparativamente a música vocal, os instrumentistas brasileiros tiveram uma boa presença em 1991. Apesar de quantitativamente ainda reduzidos, mostram cada vez mais o vigor, talento e evolução de nossos instrumentistas - muitos deles fazendo carreira no Exterior. Coincidentemente, coube a pequenas etiquetas independentes - a hoje quase extinta Chorus, a Visom e, especialmente a Kuarup e a jovem Caju Music fazerem edições de maior qualidade.

Os 10 melhores lançamentos instrumentais brasileiros-1991

1. "Bonfá's Magic" - Luiz Bonfá (Caju); 2. "Retratos/Radamés Gnatalli" - Chiquinho do Acordeon/Rafael Rabello/Orquestra de Cordas Brasileiras (Kuarup); 3. Rafael Rabello & Dino 7 Cordas (Caju); 4. "Tocar" - Geraldo Flach (RGE); 5. "Profissão, Músico" - Wagner Tiso (Polygram); 7. Paulo Moura e Ociladocê Interpretam Dorival Caymmi (Choros); 8. "Visões" - Leo Gandelman (Polygram); 8. Egberto Gismonti (EMI-Odeon); 9. Altamiro Carrilho - 50 anos de choro (Visom) e 10.

Os 10 melhores lançamentos instrumentais brasileiros-1991

1. "Bonfá's Magic" - Luiz Bonfá (Caju); 2. "Retratos/Radamés Gnatalli" - Chiquinho do Acordeon/Rafael Rabello/Orquestra de Cordas Brasileiras (Kuarup); 3. Rafael Rabello & Dino 7 Cordas (Caju); 4. "Tocar" - Geraldo Flach (RGE); 5. "Profissão, Músico" - Wagner Tiso (Polygram); 7. Paulo Moura e Ociladocê Interpretam Dorival Caymmi (Choros); 8. "Visões" - Leo Gandelman (Polygram); 8. Egberto Gismonti (EMI-Odeon); 9. Altamiro Carrilho - 50 anos de choro (Visom) e 10.

Os melhores filmes que o público ainda não assistiu

Fora do circuito comercial - e também das locadoras de vídeos - filmes dos mais importantes que, por diferentes razões, não tem exibição normal.

Entre os melhores de 91, as 3 listas que faltaram

Nas edições de ontem e hoje, ALMANAQUE complementou o levantamento cultural de 1991 - cinema e música, com textos e listas que, por razões técnicas, não foram possíveis de ter espaço no suplemento de domingo. Também abrimos hoje nossa coluna para complementar mais três listas que, normalmente deveria ter constado das páginas na edição do dia 5, mas que foram prejudicadas por terem sido elaboradas após o fechamento gráfico da edição.

Os melhores nacionais e do jazz segundo Caetano

Caetano Cerqueira Rodrigues, 57 anos, presidente do Blue Note Jazz Clube; produtor de programas de jazz e bossa nova para a rádio Ouro Verde-FM - e também é dono de uma das maiores coleções de CDs, especializados em jazz, música instrumental brasileira, Bossa Nova e grandes vocalistas americanos. Assim, sua relação dos 10 lançamentos e reedições exclusivamente em CDs feitos no Brasil é importante referencial sobre uma faixa altamente sofisticada na produção nacional e internacional. Os 10 melhores lançamentos nacionais

A música instrumental em "boom" de qualidade

Comparativamente a música vocal, os instrumentistas brasileiros tiveram uma boa presença em 1991. Apesar de quantitativamente ainda reduzidos, mostram cada vez mais o vigor, talento e evolução de nossos instrumentistas - muitos deles fazendo carreira no Exterior. Coincidentemente, coube a pequenas etiquetas independentes - a hoje quase extinta Chorus, a Visom e, especialmente a Kuarup e a jovem Caju Music fazerem edições de maior qualidade.

Dorival de Ruas ganhou a fama graças ao curta

Quando assumiu a presidência da Fundação Cultural de Curitiba, na administração Maurício Fruet, o advogado Carlos Frederico Marés de Souza procurou formar um bom staff de assessores. Assim, entre outros intelectuais que convidou para auxiliarem em sua administração (que, embora tenha merecido algumas restrições de nossa parte na época, comparada aos desmandos dos dias atuais foi extraordinariamente superior) Marés trouxe um gaúcho que, como ele, havia amargado o exílio político em terras distantes: Tabajara Ruas, agora com 50 anos.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br