Login do usuário

Aramis
Conteúdo sindicalizado RSS Wood Allen

Wood Allen

A biografia que revela Woody de corpo inteiro

Uma das mais completas biografias já feitas sobre um cineasta contemporâneo foi a que Eric Lax publicou no ano passado nos Estados Unidos sobre Woody Allen e que, menos de 7 meses após ter saído naquele País teve sua tradução brasileira lançada pela Companhia das Letras ("Woody Allen - Uma Biografia", 387 páginas, tradução de Giovanni Mafra Silva).

Quem tem o Poder na Hollywood dos anos 90?

Quem tem a força em Hollywood? Há 4 ou 5 décadas, seria fácil de sintetizar em uma dezena de senhores absolutos os grandes estúdios - Metro, Fox Warner, Columbia, Paramount, para se ter uma resposta.

Quando Hollywood sofreu com o histerismo da "Caça às Bruxas"

Hollywood Cada manhã, para ganhar o meu pão Vou ao mercado onde compram mentiras. Cheio de esperanças Entro na fila dos vendedores (Bertold Brecht, 1898-1956) xxx Qual a atualidade que um filme abordando fatos ocorridos há quase 50 anos pode ter neste final de milênio? Teria sido aquilo que se chama de Macarthismo mais cruel do que as perseguições sofridas por décadas por intelectuais, artistas e opositores do governo soviético?

A "love story" eletrônica e (metereológica) em L. A.

"Eu sou profundamente infeliz. Mas eu não sabia disso, pois estava bastante contente todo o tempo" (Harris K. Telemacher, personagem principal de "L. A. Story"). xxx Foi preciso que um inglês (Mick Jackson) viesse da BBC para redescobrir Los Angeles com uma leveza, inteligência e humor/amor próximos a que Woody Allen dedica a "sua" Nova York. Em "Noivo Neurótico, Noiva Nervosa" (Annie Hall, 1977), Allen dizia que odiava L. A. Porque "ali não existem esquinas". Por certo, Woody Allen também jamais pisaria em Brasília.

Jésus, humorista do final do século XX

Embora jornalista não fale de si - e sim dos outros - Jésus Rocha abriu uma exceção. Para que seu livro seja mais conhecido, autoentrevistou-se para passar um pouco do que pensa sobre o Brasil, o humor e a vida, neste momento em que "Noções Unidas", em textos maiores, menores, frases e cartuns, procura apresentar uma bem temperada salada russa de "noções do governo, sexo, família, ditadura, democracia, casamento, violência, corrupção, solidão, mesmo, amor, ódio, vida, morte, Brasil etc.

Denise, uma curitibana que se doutorou em Woody Allen

Dentro de algumas semanas - em abril, em data ainda não definida - duas professoras universitárias estarão fazendo uma abordagem de alto nível em termos de cinema num curso que a diretora do Museu da Imagem e do Som, Regina Walbach, programou entusiasticamente. Denise Araújo, 45 anos e [Tânia] Schepfeam, 44 amigas e colegas de universidade, estudam cinema com uma profundidade que as levaram a trabalhar em teses de mestrado no exterior.

Entre os melhores de 91, as 3 listas que faltaram

Nas edições de ontem e hoje, ALMANAQUE complementou o levantamento cultural de 1991 - cinema e música, com textos e listas que, por razões técnicas, não foram possíveis de ter espaço no suplemento de domingo. Também abrimos hoje nossa coluna para complementar mais três listas que, normalmente deveria ter constado das páginas na edição do dia 5, mas que foram prejudicadas por terem sido elaboradas após o fechamento gráfico da edição.

Reprises e continuações em semana sem bons lançamentos

Janeiro, verão, férias e programação tranquila nos cinemas. Se neste início de 92 não há grandes lançamentos destinados à platéias infanto-juvenis capazes de permanecerem semanas em cartaz - o novo Steven Spielberg só chega quando o Oscar estiver próximo (afinal "Hook", sua transposição da história de Peter Pan, pretende várias nominations), é tempo de reprises e continuações.

Vídeo 91 - Os melhores e os mais comerciais

Assim como na fonografia - que teve uma redução de 44% nas vendas o sofisticado CD - mesmo custando a partir de Cr$ 15 mil a unidade - marcou uma ascensão (7 milhões de cópias comercializadas em 1991), o vídeo continuou a prosperar enquanto seu pai, o cinema, cada vez mais abandonado, teve um público decrescente, o que leva cada vez mais a repetirem-se últimas sessões de cinema.
Tags:
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br