Login do usuário

Aramis

Artigos por data (1989 - Maio)

No campo de batalha

Afinal, uma programação que justifica ir ao Paiol no próximo fim de semana: dias 27 e 28 ali se apresenta novamente o duo Sebastião Tapajós (violão) e Gilson Peranzzetta (teclados), que, no ano passado, fizeram um belíssimo álbum na Visom. Tapajós, que é curitibano de adoção tantos seus amigos na terra, embora venha com Peranzzetta, já está trabalhando com um novo parceiro: o percussionista João Cortez. xxx

Viaro, a gata napolitana, os roqueiros e São Genaro

O bom humor, a simpatia e, sobretudo, o conhecimento familiar do italiano fez com que o advogado Constantino Viaro evitasse que a estréia de "La Gatta Cenerentola" (sábado, 20, auditório Bento Munhoz da Rocha Neto) acabasse no primeiro ato. Mas para tanto, Viaro, como superintendente da Fundação Teatro Guaíra, teve que controlar seu temperamento - normalmente explosivo - e ouvir, pacientemente, sonoros palavrões no dialeto napolitano de um esbravejante maestro, Renato Piermentese.

Pixinguinha, nunca mais! (Curitiba ficou de fora)

Triste, mas verdadeiro: o Projeto Pixinguinha não virá a Curitiba. Após quatro dias de conversações e espera de uma definição, o coordenador geral do projeto, Paulo César Rezende, viajou na sexta-feira passada para Cascavel, ali estudando a possibilidade de se formar um eixo Foz-Cascavel, viabilizando a passagem de seis elencos musicais por aquelas cidades do Sudoeste.

Garibaldinos decidem o seu destino no dia 30

Sexta-feira, 20, salão de festas da Sociedade Garibaldi. No coquetel em homenagem ao elenco de "La Gata Cenerentola", um grupo de convidados está sentado ao redor de uma mesa coberta com uma toalha branca. De repente, alguém nota que num dos cantos da alva toalha, começam a aparecer alguns pingos pretos. América Guerra, assessora do Departamento do Patrimônio Cultural, da Secretaria Municipal da Cultura, identifica a origem da sujeira: - "É cupim. E em quantidade impressionante que cai do teto". xxx

A velha senhora tem muitos pretendentes

Há muitos anos que a Sociedade Garibaldi, tal como uma apetitosa mulher que é mal atendida pelo marido, desperta o desejo de muitos homens, também atrai a cobiça e o interesse de muita gente. Afinal, embora mal vestida e sem maquiagem, a velha senhora social tem algo que é sempre atração: patrimônio. Pode não ter dinheiro vivo, mas seu imóvel que ocupa mais de mil metros quadrados, num dos pontos mais bonitos de Curitiba, desperta desejos de muitas fusões, casamentos e mesmo concubinatos. xxx

No campo de batalha

A Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais do Paraná vem mostrando grande atividade. Por exemplo, dias 1º e 4 de junho, promove um Curso de Administração Rural, que abre na quinta-feira, com palestra do Sr. José Eduardo de Andrade Vieira, presidente do grupo Bamerindus. E prossegue com o painel Administração Rural, coordenado pelo professor Ricardo de Souza, da Escola Superior de Agricultura de Lavras. xxx

Afinal, o "Ci(S)ne" de Lélio em edição maior

Quando elogiou Jerry Lewis como um dos grandes inventores da comédia americana, em textos publicados no "Estado" ou "Diário do Paraná", no início dos anos 60, o então garoto Lélio Sotto Maior Júnior, provocou a ira de cinéfilos tradicionais que viam no comediante apenas o "birutade" - dupla então desfeita com o cantor Dean Martin.

Maria Stella, adeus!

Embora diretamente nunca tenha realizado nenhum filme, Maria Stella Amaral, cuja morte há menos de duas semanas foi um duro golpe para suas centenas de amigos, esteve ligada a produções desenvolvidas pelo seu irmão, Beléu (Manoel Amaral, 47 anos). Como assistente de produção e, posteriormente, nos Estados Unidos, acompanhando o processo de reprodução de negativos em Super 8 para centenas de cópias, Maria Stella integrou-se às realizações das Produções Itaipu, que nestes últimos anos realizou mais de uma dezena de documentários a partir de uma bem sucedida série sobre Foz do Iguaçu. xxx

Depois de Hitch, os filmes de Kurosawa

O espaço que o cinema ganha cada vez mais, em termos de informação na imprensa nacional e, especialmente, o boom do vídeo - que veio reativar o interesse pelo cinema, com o relançamento de milhares de títulos e a comercialização de produções que, normalmente não chegariam ao público brasileiro - somado a saudável disputa das cadeias nacionais de televisão em programarem obras de qualidade (muitas em versões originais, com legendas), tem se refletido no crescimento do mercado editorial.

Videoclip de longa-metragem

Graças ao vídeo, filmes que não chegariam jamais aos circuitos comerciais - a não ser em promoções especiais - acabam tendo lançamento regular. Mais um exemplo é dado pela Look Vídeo, que incluiu em seu último pacote o musical "Absolute Beginners", realizado há três anos, pelo inglês Julien Temple, que vem a área dos videoclips - o que significa uma grande intimidade com o estilo rápido, telegráfico, quase onírico que caracteriza este tipo de produção desenvolvida nos anos 80 para a promoção visual de sucessos musicais.

Videonotas

Paulo de Góes, um dos mais tarimbados jornalistas da área de cinema, ex-assessor da Artenova Filmes (empresa hoje desativada) e que no último FestRio foi o braço direito de João Luiz Albuquerque no perfeito serviço de imprensa, assumiu a assessoria de comunicação da CIC Vídeo. Estava mesmo na hora da multinacional contratar um bom profissional para melhorar suas relações com a imprensa. Paulo de Góes, com sua simpatia e competência, fará com que os lançamentos da CIC passem a ter maior presença nas colunas especializadas. xxx

Huston filma Joyce num belo filme de despedida

Parece até ironia, de muito humor - uma das marcas de sua vida e sua obra: doente, sabendo que tinha poucos meses de vida, John Huston escolheu o conto "The Dead", do irlandês James Joyce (1882-1941) para transpor à tela. Autor de uma obra maravilhosa, marcada por personagens rijos, de fortes personalidades e quase sempre com muita ação, fez como canto de cisne um filme camerístico, introspectivo, reflexivo - um réquiem para quem, em 60 anos de atividades, deu alguns dos mais belos momentos ao cinema.

Paiol oferece ótimo musical

Dois dos mais talentosos músicos brasileiros garantem para hoje e amanhã o melhor programa musical do final de semana. São eles, simplesmente, Sebastião Tapajós (o mestre do violão) e Gilson Peranzzetta (o mago do piano). Desde Madri, durante o Festival de Jazz do ano passado, esta dupla vem deliciando as platéias. E hoje, mais delícias: as 21 horas no Teatro Paiol.

Nativismo nas araucárias, tchê!

Mesmo antes de ser lançado - o que só acontecerá no próximo dia 12, "Passe a Cuia, Tchê!" do promotor e estudioso de folclores Arthur Tramujas Neto (volume 2 da série "Leite Quente", Secretaria Municipal da Cultura, 32 páginas, em fase de revisão) está sendo solicitado por interessados em conhecer a visão que o autor dá sobre o gauchismo no Paraná.

FERCAPO em andamento e o exemplo de Avaré

A próxima edição do FERCAPO - o mais importante festival de música popular do Paraná - terá uma dimensão maior, já que de regional só tem o nome: a cada ano aumenta o número de participantes vindos de todo o país.

Bananarama e Afrodite, as gatas que (en)cantam

É uma simples coincidência, mas não deixa de ser curiosa: no mesmo mês (abril), a Polygram colocou nas lojas dois elepês com trios vocais femininos que buscam na irreverência e modernismo o seu público. De um lado, as belas gatas do Bananarama ("The Greatest Hits Collection"), que em menos de três anos no mercado já conquistou seu público, com uma forma suave de interpretações, emplacando muitos êxitos como uma nova leitura de "Help", um dos mais conhecidos êxitos de Lennon / McCartney - que inspirou até o segundo longa-metragem dos Beatles.

Ivan Lins, uma volta marcante

"Meu amor / Eu já tenho 30 anos de projetos, nada firme, nada claro, nada certo (...) Eu já tenho 30 anos de paciência / Esperando a minha vez, a minha hora".

Viva, feminilidade roqueira!

Com um som bem mais pesado do que as brasileiras "Afrodites" ou das americanas do "Bananarama", o quarteto feminino Vaxen também é formado por gatas que cantam e tocam instrumentos de grande sonoridade. A morena Roxy Petrucci na bateria e as loiras Janet Gardner e Jan Kuehnemund nas guitarras, mais a ruiva Share Pedersen no baixo - todas fazendo vocais. É um time de belíssimas mulheres - sensuais, trajes provocantes, como estão na foto da contracapa de seu primeiro álbum (EMI/Odeon/Manhattan), que ao menos visualmente já é atraente.

Crise do cinema brasileiro será discutida em Gramado

A boa estrela de Esdras Rubine, secretário de Turismo de Gramado - e que, por cinco anos (1978/1982) já havia presidido a comissão organizadora do mais importante festival do cinema no Brasil, brilhou. Apesar da crise na indústria das imagens - entre 1987/89, a produção caiu em seus níveis mais baixos - a 17ª edição terá não só filmes importantes para disputarem os Kikitos, como alguns bons títulos ficaram de fora.

Adaptações de Sabino na disputa do Kikito

Com toda certeza o escritor Fernando Sabino estará em Gramado: dois longa-metragens, em competição, são baseados em suas novelas: "A Faca de Dois Gumes", de Murilo Salles e "O Grande Mentecapto", de Oswaldo Caldeira. Sérgio Rezende, que com "O Homem da Capa Preta" conquistou as principais premiações do Festival de Gramado, há três anos, retornará concorrendo com seu novo filme, "Eu sem Juízo, Ela Doida Demais", cuja montagem foi feita pelo curitibano Mauro Alice.
© 1996-2016. tabloide digital - 35 anos de jornalismo sob a ótica de Aramis Millarch - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Altermedia.com.br